terça-feira, 26 de janeiro de 2016

MONOGAMIA E CONTROLE

[Escrevo esse texto a partir das muitas transformações que venho passando desde que eu e minha namorada iniciamos uma relação não-monogâmica. Aprendo muito e diariamente com colocações e críticas dela, assim como com nossa vivência. Por conta de sua postura, me foi possível dar um mergulho profundo em mim mesma e no meu passado: não há como sair igual duma experiência dessas.]
Sempre me achei pronta pro Amor Livre, antes mesmo de saber que isso existia, mas quanto mais o conheço, quanto mais o discuto, mais descubro que eu na verdade sempre estive é pronta pra relações desiguais, eu sendo a parte privilegiada sempre. Ficar com outras pessoas (e por esse "outras pessoas" já se pressupõe a existência dum alguém que não seja esse "outras", dum alguém que fosse "principal", que aliás nada soubesse desse "outras" [sim, relações extraconjugais]) me parecia algo tranquilo, algo que não afetava o vínculo que eu possuía com a pessoa amada, e vou cada vez mais percebendo (e reconhecê-lo é um processo doído) a minha irresponsabilidade para com tudo que não fosse eu nessas todas relações. Na prática, eu acabava usando essas outras pessoas para dar conta de pulsões pontuais minhas, a forma que encontrei de manter de pé a relação oficial, onde residia inteiro o vínculo propriamente afetivo. Não à toa uma ex-namorada, hoje grande amiga, me disse meio na brincadeira, meio a sério, que só saberei mesmo o que é ser mulher quando viver uma relação abusiva com homem (pense-se no peso que é uma ex ter me dito isso, ainda que brincando).
Não à toa também sempre me pareceu mais fácil o relacionamento com pessoas frágeis, de autoestima lá embaixo, e, quanto mais vou me afundando no feminismo, mais a autocrítica que me forço a fazer me faz ver meu papel na manutenção dessas fragilidades e na da dependência emocional que elas propiciam. Minha dificuldade, p.ex., em reconhecer e elogiar a beleza, inteligência e força das tantas mulheres com quem me envolvi, pessoas criadas para não acreditar em si mesmas como forma de serem melhor controladas: uma mulher autossuficiente, empoderada, não acreditaria precisar DESSAS relações abusivas, desiguais, não acreditaria que SÓ esse miserável com quem se relaciona a iria querer, não acreditaria sequer PRECISAR duma relação, qualquer que fosse -- olha o perigo! E embora eu não fosse nenhum prodígio em termos de autoestima (sou aquela pessoa que, numa festa, fica com quem sobrou, que demorou horrores pra saber o que era desejar alguém e ser desejada por esse alguém), sempre me senti bastante segura dentro dessas relações, segurança que vinha, hoje vejo, justamente dessa desigualdade de forças. Super conveniente.
Amor Livre não é sobre ter vários parceiros, como imaginei antes. Às vezes um só basta, nenhum às vezes. Nem sexo é, aliás, necessário. Vínculos que consideramos de amizade podem facilmente, por esse filtro, ser lidos e cultivados como vínculos de amor e isso se percebe bem quando notamos que a monogamia não se preocupa apenas em controlar o número de parceiros sexuais, mas também os vínculos de amizade considerados "perigosos" (a velha história do "não existe amizade entre homem e mulher", p.ex., ou da proibição de contato com ex). Amor Livre é sobre relacionamentos não-desiguais, não pautados no controle do outro, é sobre não hierarquizar relações (o que é particularmente importante para não considerarmos que a relação em que há sexo é dum grau superior àquelas "só" de amizade, o que faz com que via de regra a gente se afaste de amigos quando começamos um namoro e depois voltemos a nos aproximar quando o namoro acaba... perceba o utilitarismo nessas relações!): amor livre é sobre responsabilidade afetiva, e, como bem disse minha namorada, amar não basta.
Ser trans me transformou num alvo prioritário do ódio transfóbico, mas isso por si só não faz de mim uma pessoa vulnerável dentro de relações afetivas. Demorei pra me dar conta disso, pra perceber que não é com um estalar de dedos que deixo de ser o que fui criada pra ser, e creio que só comecei a me enxergar capaz dessa transformação quando me envolvi com uma mulher livre, mas tão livre, que se fortaleceu o bastante para manter intocados os limites da liberdade que construiu pra si. Homens talvez precisassem, antes de querer viver múltiplas relações em simultâneo, aprender a viver uma só relação mas com responsabilidade, dedicação, cuidado, aprender a vivê-la sem basear sua segurança no controle da pessoa com quem se relacionam: se não for assim, não vejo como eles não acabarão se valendo, em algum momento ou mesmo em todos, desses mecanismos que a sociedade patriarcal criou para controlar mulheres, para diminuí-las, servir-se delas.
A mulher livre assusta, intimida, mesmo ao homem mais seguro de si. Termino o texto com um poema, poema dessa pessoa com quem venho aprendendo que Amor Livre é nada mais do que feminismo aplicado às relações afetivas:


28.09.2015
As certezas de minhas escolhas
Assustam as pessoas.
As certezas de minhas escolhas
Me trazem confiança.
As certezas de minhas escolhas
Não são qualquer coisa.
As certezas de minhas escolhas
Me fazem esta persona.
As certezas de minhas escolhas
São minhas escolhas.
As escolhas das minhas certezas
São apenas escolhas.
Sou confiante por um instante.
Terra.

4 comentários:

  1. que texto ótimo! A busca pelo Amor livre é um processo mto difícil, mas qdo a gente consegue, mesmo que um pouquinho, amar de forma despretensiosa, generosa e livre é tão bom!

    ResponderExcluir
  2. Vivemos uma sociedade do "Não": "não pode isso, não pode aquilo". A primeira reação, para a quase totalidade de nós, enquanto indivíduos dessa massa, diante de pensamentos, sentimentos e comportamentos libertários, é sentir ou medo ou vontade de agredir quem queira passar para o outro lado, o lado do desconhecido. Ovelhas que se desgarram do bando são sempre mal vistas e, via de regra, se insistem em atitudes revolucionárias, são mal tratadas, perseguidas, torturadas, banidas ou, no pior dos casos, mortas - se configurarem perturbação da "ordem" imposta. Sempre foi assim, é e será, na história da humanidade. O maior ato de coragem é ser você mesmo e estar disposto a lutar, vencer ou morrer pela causa da liberdade, da dignidade, da verdade.

    ResponderExcluir
  3. Oi! Eu sou adepta do amor livre tb! Eu me senti muito bem lendo esse texto, acho que você trouxe a dimensão importante sobre essa forma de se relacionar, que é a das escolhas e da autonomia. Gostei muito de seus textos, gratidão!

    ResponderExcluir