quinta-feira, 23 de julho de 2015

FAZ ISSO NÃO, EU VIM PRA COMER

Demorou, mas veio enfim um corajoso e todo príncipe no cavalo branco. Falava mais doq a boca, mãos, olhos, indo de "vc é bonita demais pra estar aqui, tão branquinha" a "vou te tirar dessa vida, te assumir, vc vai ver", imaginem. Ficou feliz que meus pais "não sabiam" e que eu trabalhava "pouco", aí era mais fácil sair. Ajudava a juntar o dindim do peito, aliás. Bom demais pra ser verdade. Me cantava e tocava uma em sincronia perfeita, um músico, orquestrador, excitado em se imaginar me salvando daquele mundo, eu tendo que dizer pára e segurar a mão dele senão ele se acabava era ali, no carro, e adeus aqüé. Por fim se rendeu aos meus encantos e fomos pro quarto, não sem antes me fazer prometer que eu ia cuidar bem "desse negão" e que daria a ele uma chance. Dei. Cobrei só quarenta, o bastante pra cobrir meus gastos. Neca cabeçuda que nunca vi, um cogumelo quase, senti as dores por antecipação imaginando o empalamento (e isso mesmo eu tendo treinado num consolo a semana inteira pra ficar larguinha).

Nus na cama, esfregação, camisinha, oral, eu mais divertida vendo o prazer dele doq com a transa em si, me sentindo atriz, até que ele me puxa e começa a beijar, carinho, barba arranhando a pele... "ei, nossa, uou, que que é isso aí!?", disse ele assustado ao me ver toda toda, crescidinha, armada, se vcs me entendem. E continuou: "vc gosta mesmo de pau, tem certeza?" Parei o bloqueador de testosterona, deu nisso, tesão. Segui o instinto e fui bolinando o corpo dele, bolas, períneo, bunda, ele se tocando alucinado, ou, ei, nim, são, não, sim, ui, boca e olhos se dizendo e contradizendo, até que, ai, por fim, "faz oq quiser de mim". Travesti vivida sabe oq isso quer dizer, sabe oq ele quer que eu queira, eufemismo pra "vem, me come", e lá fui eu massagear o edi, ver se entendi direito. 

"Não, não, ai, hj eu vim pra comer, faz isso não, por favor", era oq a boca dizia, mas a língua das mãos era outra, agitada, acelerada, parecia que iria gozar a qqr momento. Resolvi cutucar a onça: "vem cá me comer, se é isso oq vc quer... só não dá pra ficar de romance, q a qqr momento alguém vem bater na porta". E lá foi ele se aprontando, lambuzando o meu edi de gel, começando a futucação. Doeu, confesso, o prazer que eu estava sentindo em parte se foi, mas foi mais fácil doq eu imaginava... a cabeça entrando, o restante da neca escorregou quase que sem atrito, e ali ficamos minutos a fio, entra-e-sai voraz, até que ele fechou os olhos, grudou pro meu desespero e dor o púbis lá atrás de mim e, sem aviso prévio, desfaleceu nos meus braços. Dps que gozou, pressa e amnésia. Só deu tempo de pedir troco pra cinquenta e se foi, atrasado pra um compromisso, esquecido de me salvar daquele mundo. Homens.

5 comentários:

  1. Eita nossa... como queria poder contar meus romances e dos amores que encontrei nesta vida!! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer contar um causo seu todo especial, envolvendo troca-troca financeiro quem sabe, aqui pro blog? Pode ser anônimo, ninguém fora vc sabe quem vai saber... hehe

      Excluir
    2. Sou da filantropia total... Uma vez apenas fui confundido com um GP. Quem sabe quando tiver um causo para contar que envolva dindim. rsrsrsrs

      Excluir
    3. Se não tiver um causo digno de nota até a gente se encontrar em Salvador (vc vai, não?), aí lá vc me contrata e eu conto a história da nossa noite... hahaha

      Excluir